Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Fiat G91 nos Açores

O Fiat G91 é uma aeronave de caça e ataque leve que foi utilizada pela Força Aérea Portuguesa (FAP) ao longo de várias décadas. O G91 foi desenvolvido pela fabricante italiana Fiat Aviazione na década de 1950 e foi amplamente adotado por várias nações da NATO, incluindo Portugal.

A FAP adquiriu o Fiat G91 na década de 1960 como parte dos seus esforços para modernizar sua frota de aeronaves de combate. O G91 foi escolhido devido ao seu desempenho versátil e capacidades de ataque leve, tornando-o adequado para missões de apoio aéreo próximo, reconhecimento e intercetação.

As primeiras unidades do Fiat G91 entraram em serviço na FAP em 1966, e a aeronave foi designada como G91R. Posteriormente, em 1972, a FAP recebeu uma versão atualizada, conhecida como G91R/3, que apresentava melhorias no motor e em outros sistemas.

O Fiat G91 provou ser uma aeronave confiável e bem-sucedida para a FAP ao longo dos anos. Ele participou de várias operações e missões durante o serviço português, incluindo ações no contexto das antigas colónias portuguesas na África, como Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, durante os conflitos de independência dessas nações.

Além disso, o G91 da FAP também desempenhou um papel importante na defesa do espaço aéreo português, realizando missões de intercetação e patrulhamento. Sua capacidade de descolagem e pouso em pistas curtas o tornava particularmente adequado para operar em bases aéreas menores e em terrenos difíceis.

Com o passar dos anos, a FAP substituiu gradualmente o Fiat G91 por aeronaves mais modernas, como o Alpha Jet e o F-16. No entanto, o G91 permaneceu em serviço até o início dos anos 2000, quando foi aposentado pela Força Aérea Portuguesa.

O Fiat G91 deixou um legado significativo na Força Aérea Portuguesa como uma aeronave versátil e confiável. Sua presença nas operações militares e sua contribuição para a defesa do espaço aéreo português fizeram dele uma parte importante da história da aviação militar em Portugal.

 

Açores são lindos

O sol começava a pôr-se no horizonte, pintando o céu com tons vibrantes de laranja e rosa. Três aeronaves Fiat G91, icónicas máquinas de guerra italianas, estavam prestes a realizar um voo especial sobre as belas ilhas vulcânicas.

3 pilotos decidiram iniciar este regresso ao Fiat do MSFS nos Açores para realizar um voo em formação durante o magnífico pôr-do-sol.

Os três G91 descolaram da Base Aérea LPLA Lajes, na ilha Terceira, no meio duma atmosfera de entusiasmo e expectativa. As aeronaves tinham sido cuidadosamente atualizadas pois cada um sabia o quão especial seria esse voo.

Enquanto subiam aos céus, os pilotos ajustavam as suas formações, buscando a perfeição na simetria e no alinhamento. As asas brilhavam suavemente sob os últimos raios do sol poente, proporcionando um espetáculo visual único.

À medida que os aviões sobrevoavam as ilhas açorianas, passando por cima de paisagens exuberantes e crateras vulcânicas, uma sensação de admiração e gratidão. Era como se o próprio mundo estivesse permitindo que experimentassem a beleza e a serenidade do arquipélago.

Os pilotos, imersos na emoção do momento, mantinham uma comunicação constante por rádio, compartilhando palavras de alegria e exaltação. Eles sabiam que aquela experiência estava além das palavras e se sentiam privilegiados por estarem juntos naquele momento mágico.

À medida que o sol se punha completamente, o céu ganhava um tom dourado e alaranjado, proporcionando um cenário ainda mais espetacular para a formação dos G91. Os pilotos aproveitaram cada segundo, cada curva suave, cada manobra precisa, celebrando a perfeição do voo em formação.

Quando a noite finalmente caiu, os pilotos encerraram a sua missão no céu dos Açores.

Foi um excelente regresso a esta aeronave que se mostra muito mais adulta e excitante na sua atualização.