Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Asas de Portugal no MSFS

O T37-c dos Asas de Portugal é uma aeronave de treinamento militar fabricada pela empresa Cessna. O T37 é um jato de dois lugares equipado com um Continental J 69 T 25.

O uso do T37-c pelos Asas de Portugal começou no início da década de 80, após a Força Aérea Portuguesa adquirir algumas unidades para treinamento básico de pilotos. Com o passar dos anos, os Asas de Portugal acabaram por  se tornar um dos principais usuários da aeronave no país.

O treinamento a bordo do T37-c é fundamental para preparar pilotos para aeronaves maiores e mais complexas, uma vez que o jato possui características de voo semelhantes às dos caças modernos. Além disso, o T37-c também é uma aeronave utilizada para apresentações em eventos aéreos, como acrobacias e voo em formação.

O T37-c dos Asas de Portugal passou por algumas modificações em relação ao modelo original. Foi acrescentado um sistema de fumo para criar efeitos visuais durante as apresentações, além de alguns outros equipamentos para melhorar a segurança dos pilotos e maximizar o desempenho da aeronave.

No geral, o T37-c dos Asas de Portugal é uma aeronave muito versátil, utilizada tanto para treinamento quanto para apresentações de acrobacias aéreas. É conhecido por sua agilidade e bom desempenho em manobras, sendo uma das principais atrações aéreas em eventos em todo o país.

“No geral, o T37-c dos Asas de Portugal é uma aeronave muito versátil, utilizada tanto para treinamento quanto para apresentações de acrobacias aéreas. “

O voo acrobático

O voo acrobático é uma forma de pilotagem aérea que envolve manobras de alta intensidade e impacto visual para o público em geral. O objetivo é mostrar a habilidade do piloto em controlar o avião em todas as direções, invertê-lo e realizá-lo em velocidades extremas, além da aceleração extrema e a desaceleração extrema.

A história do voo acrobático remonta ao início do século XX, quando os pilotos começaram a experimentar com manobras de voo que desafiavam os limites do avião e do piloto. Em 1913, o francês Adolphe Pégoud foi o primeiro a realizar um loop completo em uma aeronave. Ele também foi pioneiro em manobras como o parafuso e a curva de imposição.

O voo acrobático tomou forma durante a Primeira Guerra Mundial, quando os pilotos militares começaram a praticar manobras acrobáticas para melhorar suas habilidades de combate. Depois da guerra, muitos desses pilotos se tornaram pilotos civis e começaram a exibir suas habilidades em shows aéreos e competições.

A Fédération Aéronautique Internationale (FAI) reconheceu o voo acrobático como um desporto em 1936 e estabeleceu regras para competições de acrobacias aéreas. Desde então, as competições de acrobacias aéreas se tornaram populares em todo o mundo.

O voo acrobático é altamente técnico que requer muita habilidade e treinamento. Para se tornar um piloto acrobático, é necessário ter uma licença de piloto privado e, em seguida, treinar com um instrutor de voo acrobático. O treinamento envolve aprender a realizar as manobras básicas de acrobacias aéreas, como loopings, giros e rolos, em segurança. Depois de dominar as manobras básicas, o piloto pode progredir para manobras mais avançadas, como o cubano oito, o oito invertido, o círculo de imposição e vários tipos de parafuso.

Uma das aeronaves usadas para competições de acrobacias aéreas é o Extra 300, um monoplano de asa baixa desenvolvido especialmente para esse esporte. O Extra 300 tem uma estrutura robusta e é capaz de suportar cargas G extremas. Ele também tem uma velocidade máxima de quase 400 km/h.

As competições de acrobacias aéreas geralmente envolvem um conjunto padrão de manobras que são avaliadas por juízes. Cada manobra é avaliada com base na precisão, altitude, velocidade e finalização. Os juízes também observam a suavidade das transições entre as manobras e a postura do piloto.

O voo acrobático é um esporte emocionante para os espectadores, mas também é arriscado para os pilotos. O alto nível de habilidade necessário para realizar manobras de voo acrobático pode levar anos de treinamento e prática. Os pilotos também precisam estar em excelente forma física para suportar as forças G extremas que são experimentadas durante as manobras de voo.

Além das competições, o voo acrobático também é usado como um evento de entretenimento em shows aéreos. Os espectadores podem desfrutar de deslumbrantes exibições de manobras aéreas em um cenário pitoresco.

No entanto, o voo acrobático também é usado em situações de emergência. Pilotos militares e civis treinam regularmente em manobras de acrobacias aéreas para melhorar suas habilidades de pilotagem em situações difíceis. Isso inclui a capacidade de se libertar de cabos emaranhados, destravar a aeronave e sair do controle de situações que possam colocar em perigo a sua segurança.

Em resumo, o voo acrobático é um desporto aéreo emocionante e tecnicamente desafiador que demanda habilidade, treinamento e prática. É uma atividade que pode ser apreciada tanto como competição quanto como evento de entretenimento.

Deste mesmo autor tens 2 versões que tens mesmo de fazer o download e não deixes passar a ideia de o seguir.

Nós achamos que, apesar de faltar algum rigor em alguns detalhes ( #$%$#% que puristas), é um bom ponto de partida para quem quer fazer umas cenas acrobáticas com este marco da aviação.

Siga Tiger!

1 Comentário

  • Luis António Almeida Gaspar
    Posted 1 de Abril, 2023 at 19:40

    Boa noite. Parabéns pelo vosso trabalho. Está muito bom. Gostaria de fazer um reparo: o T-37 não é francês nem foi constituído pela Fouga. O T-37 é uma aeronave americana e foi construída pela Cessna. Já agora, o motor que equipava o Cessna T-37C era uma Continental J 69 T 25. Um abraço.

Deixe um comentário

0.0/5