Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Identificar e escoltar

Duas aeronaves F16 foram acionadas para a identificação de uma aeronave que se aproximava de Lisboa.

Foram cumpridos os procedimentos previstos e a aeronave foi identificada.

A tripulação reportou uma falha nas comunicações e foi acompanhada até LPPT (Lisboa).

 

Fazer uma escolta obriga a treino!

Definição

O que é o voo em formação? 

Globalmente podemos dizer que é um tipo de voo composto por mais de uma aeronave que, por acordo prévio entre os pilotos, opera como uma única aeronave no que diz respeito à navegação e comunicação de posição, bem como autorizações emitidas pelo ATC.

Fonte: EUROCONTROL ATM Lexicon

Como surge?

O vôo em formação nasceu como um meio de apoio e proteção em tempos de guerra aérea. Foi rapidamente descoberto que várias aeronaves trabalhando juntas alcançam resultados muito maiores, ao mesmo tempo em que reduzem o risco para todos os membros da formação. Voar um grande número de aeronaves em formação significava que a organização era necessária para segurança e eficiência.

Com o tempo e a experiência, foram desenvolvidos padrões e convenções para o vôo em formação. Algumas dessas convenções variam de acordo com o país de origem, a organização ou o tipo de voo e são um elemento rotineiro das operações de voo do dia-a-dia.

Existem dois usos principais de formações nos dias de hoje – vôos militares e vôos de aviação geral (acrobacias, vôos recreativos, etc.).

 

Sabias que …
Formações padrão

A distância entre o líder de voo e qualquer uma das outras aeronaves não deve exceder 0,5 NM horizontalmente e 100 pés verticalmente. Alguns países estendem estes. Por exemplo, nos EUA, uma formação é considerada  padrão  se o espaçamento horizontal entre o líder e qualquer um dos alas estiver dentro de 1 NM. Outro exemplo é o documento EUROAT que afirma que na  formação militar padrão , cada elemento deve estar a 1 NM ou menos de distância do líder.

As formações padrão são tratadas como uma única aeronave no que diz respeito à navegação e relatórios de posição.

Plano de vôo

Existem algumas especificidades ao  completar um plano de voo  para um voo de formação.

  • O indicativo do líder da formação deve ser usado no item 7 (identificação da aeronave).
  • O número de aeronaves deve ser especificado no item 9 (número e tipo de aeronave e WTC).
  • Se a formação compreender diferentes tipos de aeronaves, ZZZZ é usado no item 9 e os tipos são especificados no item 18 (outras informações) com o designador TYP/, por exemplo,  TYP/1K35R 3F16 2MG29 .
  • No item 10 (equipamentos e capacidades), o símbolo  W  (  aprovado  RVSM ) não  deve ser usado independentemente do status RVSM da aeronave individual.
  • Caso se espere que a formação opere na camada RVSM, o texto STS/NONRVSM deve ser incluído no item 18.
Descolagem e Aterrissagem

Os procedimentos de decolagem/aterrissagem de aeronaves em formação em/de aeródromos controlados estão descritos em  AIPs nacionais . Em alguns países isso não é permitido. Isso significa que as aeronaves partem uma a uma como voos separados e, em seguida, ocorre a junção. Da mesma forma, na fase de aproximação, o grupo se desfaz e as aeronaves pousam uma a uma.

Há países onde a decisão de fazer ou não decolagens e aterrissagens simultâneas cabe aos pilotos envolvidos (algumas restrições podem ser aplicadas). Neste caso, a autorização para descolagem e pouso é concedida apenas ao líder de voo e a responsabilidade de garantir a separação segura durante a descolagem, aproximação e pouso é do líder de voo e dos alas da aeronave.

Às vezes, a regra geral é que descolagens e aterragem simultâneas não são permitidas, a menos que uma autorização especial seja concedida para o voo em particular.

 

 

As formações padrão são tratadas como uma única aeronave no que diz respeito à navegação e relatórios de posição.

Deixe um comentário

0.0/5